230 milhões jogados no lixo pelos EUA em Gaza, o cais temporário será desmantelado

Os Estados Unidos vão desmantelar o cais que estabeleceram na Faixa de Gaza, depois de terem falhado miseravelmente na entrega de ajuda humanitária à população local. Isso foi noticiado ontem à noite (terça-feira) no New York Times. Autoridades disseram ao jornal que esperam que Israel abra rotas terrestres adicionais para trazer ajuda, uma vez que a Faixa de Gaza enfrenta “níveis extremos de fome”, segundo eles. Mas não tem coragem de mostrar o comércio ilegal que o Hamas faz com a ajuda humanitária.

Entretanto, o American Wall Street Journal informou que apesar do acordo dos legisladores democratas para permitir a venda de 50 aviões F-15 a Israel – na prática, a administração está atrasando o acordo. A venda, num total de 18 bilhões de dólares, é um dos maiores negócios de armas com Israel nos últimos anos – e embora pareça avançar, por enquanto, segundo o Wall Street Journal, no governo, estão a optar por atrasar. Ontem foi noticiado que a administração Biden quem realmente pressionou os legisladores – Gregory Meeks e Ben Cardin – a darem o seu consentimento para avançar com a venda dos aviões.

Um funcionário do Departamento de Estado americano disse ao Wall Street Journal que “não existe nenhuma diretriz para atrasar as transações com Israel”. No entanto, alguns membros da administração Biden parecem preocupados com a possibilidade de a conclusão do acordo aumentar a oposição no Congresso. “Estamos analisando o momento – não é uma questão de ‘se’, apenas de ‘quando'”, disse a autoridade, e outras autoridades do Congresso acrescentaram que os aviões provavelmente serão entregues em cerca de cinco anos – se a venda for concretizada. aprovado oficialmente apesar da pressão para cancelá-lo.

Recordemos que o custo do cais americano, que foi construído em cima da hora, foi de 230 milhões de dólares – e nos EUA admitem que falhou na sua missão no mês que passou desde que foi anexado à costa de Gaza, o cais. operou apenas dez dias; no resto do tempo, foi reparado após uma tempestade no mar que o quebrou, e posteriormente foi desconectado para evitar maiores danos, ou a atividade nele foi interrompida por questões de segurança.

O New York Times enfatizou que quando o cais foi estabelecido, a situação da ajuda humanitária na Faixa de Gaza era muito mais sombria e agora as organizações de ajuda dizem que Israel está a dar-lhes um acesso mais amplo. Contudo, as organizações enfatizaram que a situação ainda é grave.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *